Barrinha de Cereais

Barrinhas de Cereais são, supostamente, um lanchinho prático, gostoso e nutritivo.
O problema é que as barrinhas industrializadas são práticas, porém nem sempre são muito gostosas e muitas vezes são pouquíssimo nutritivas.
Muitas delas possuem uma quantidade enorme de açúcar (em diversas formas) e um monte de aditivos químicos. E o que é pior: uma quantidade muito pequena de fibras, um nutriente importantíssimo para nosso organismo, presente nos cereais integrais.
Na hora de comprar, é imprescindível ler os rótulos, mas pra não restar dúvidas mesmo o melhor é fazer sua própria barrinha em casa. Dessa forma você pode escolher o sabor que mais gosta e ter certeza da qualidade nutricional, sem perder a praticidade.

Essa receita rende 18 barrinhas pequenas, porém que geram uma grande saciedade.
Guarde-as em um pote fechado ou embale-as uma a uma em plástico filme.
Duram, em média, 1 semana em temperatura ambiente ou 2 semanas na geladeira.

Barrinha

Lanches Intermediários

Alimentar-se de forma frequente, a cada 2 ou 3 horas é uma prática bastante interessante, podendo trazer diversos benefícios para a saúde e bem estar, como:

  • Manter os níveis de glicose no sangue constantes, evitando hipoglicemia e seus sintomas (diminuição de concentração, fraqueza, sonolência, tontura, tremores, etc) e melhorando a disposição para as atividades do dia a dia.
  • Não chegar nas refeições principais com uma fome descontrolada e acabar comendo com muita pressa, sem mastigar direito e acabar ingerindo uma quantidade muito maior do que a necessária para aquele momento. Dessa forma a digestão é facilitada, melhorando o bem estar, e o acúmulo de reservas energéticas na forma de gordura corporal diminui.
  • Evitar que o ácido clorídrico produzido pelo estômago danifique as paredes deste órgão, evitando assim desconfortos como azia e “queimação”.
  • Evitar perda de massa muscular e favorecer a perda de reservas de gordura.

Por isso, vale a pena se planejar e realizar lanches intermediários às refeições principais. Sempre respeitando as sensações de fome, é claro.
Uma dúvida muito frequente que observo no consultório é como organizar esses lanches e como variá-los, para torna-los apetitosos e não entrar na monotonia.
Preparei abaixo algumas sugestões, considerando alguns grupos alimentares mais comumente utilizados nestes horários:

Grupo das FRUTAS

   Grupo das FRUTAS + Grupo dos CEREAIS

Grupo das FRUTAS + Grupo dos CEREAIS + Grupo do LEITE

Os lanches podem, ainda, conter outros grupos alimentares como:

A frequência alimentar, os grupos alimentares e suas quantidades variam de pessoa pra pessoa e dependem da fome, rotina, hábitos, preferências, atividade física, entre muitos outros. Um nutricionista pode ajudar a escolher as melhores opções pra você.

Veja algumas receitas:
Sorvete de Banana
– Bolo Integral de Maracujá (utilize a receita do Bolo Integral de Cenoura e substitua a cenoura por maracujá)
Panqueca de Maçã
Pão Integral
Milkshake de Amora Preta
Barrinha de Cereais Caseira

Bom apetite!

Carboidratos

Carboidrato é definido como um macronutriente, ou seja, um nutriente necessário para nós em grande quantidade.
São moléculas formadas de átomos de carbono, hidrogênio e água. Estas moléculas podem ser encontradas em tamanhos maiores (como na forma de amido, sacarose, lactose) ou em tamanhos menores (glicose, frutose e galactose). Durante a digestão, as moléculas maiores são quebradas até chegarem aos tamanhos menores para que possam ser absorvidas em nosso intestino e serem utilizadas por nosso organismo.

O principal papel  deste nutriente é o fornecimento de energia para diversas funções fisiológicas, sendo a glicose o único e exclusivo combustível utilizado pelo cérebro.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (2003), 55% a 75% do valor energético total consumido durante o dia deve ser proveniente de carboidratos.

Atualmente, no entanto, o carboidrato vem sendo considerado o vilão da vez: encontra-se por aí inúmeras dietas da moda que excluem alimentos fonte de carboidrato. Essas dietas não possuem respaldo científico e podem se tornar bastante prejudiciais à saúde.
É importante saber que este nutriente não pode ser excluído: é preciso apenas escolher as fontes mais saudáveis e consumi-las na quantidade adequada, sendo essa específica para cada um.
O grande problema está no atual consumo excessivo de fontes de carboidrato industrializadas e ultra processadas, onde houve processo de refinamento, no qual são retirados outros nutrientes importes (vitaminas, minerais e fibras), além de estarem quase sempre associados a um excesso de gordura saturada e gordura trans.

Conheça algumas fontes de carboidrato que podem e devem estar presentes em uma alimentação equilibrada e saudável:

– Açúcares: açúcar mascavo, açúcar demerara, melado de cana, mel.

– Cereais e seus derivados integrais: arroz, trigo, aveia, milho, centeio, cevada, quinoa, amaranto, farinhas, macarrão, pão, biscoito, etc.

– Raízes e tubérculos: batata, batata doce, mandioca, mandioquinha, inhame;

– Frutas: banana, maçã, abacaxi, uva, mamão, manga, etc;

– Leguminosas: feijões, lentilha, grão de bico, ervilha, soja, etc;

 Carboidratos

 Carboidrato na atividade física

Para os praticantes de atividade física, este nutriente se torna ainda mais indispensável. Alimentos ricos em carboidratos devem ser consumidos na quantidade certa antes, durante (dependendo da intensidade e duração do exercício) e após a atividade para que haja fornecimento, reposição e armazenamento de energia apropriados para o esforço.
Se a ingestão de carboidrato for insuficiente, faltará combustível, o desempenho será prejudicado e o corpo buscará outras formas de conseguir este nutriente para o cérebro; nesta situação, a massa magra (músculo) também será prejudicada.